Divagações sobre Ufos e a máquina do tempo.

Tudo, ou quase tudo, que se refere ao assunto do título deste artigo envolve muito ceticismo, fanatismo e fé.

Tem gente que fala sobre a possibilidade da vida fora da terra com ardor religioso e a paz de um xiita.

Há algum tempo o governo da Inglaterra liberou imagens até então secretas de objetos não identificados.

Conheço gente séria que afirma já ter visto sinais de luzes estranhos no céu que não se parecia com nada que conhecemos.

Apesar de existirem muitos “especialistas” no assunto, acredito que quase tudo o que se fala a respeito não passa de especulação.

Na minha opinião, de fato existem eventos que não podemos explicar.

No entanto, porque a aparição de uma nave no céu determinaria que alí existem seres alieniginas que moram em outro planeta e vem nos visitar ?

Preferimos acreditar no que mais se aproxima de nossas crenças, nossa cultura  e sempre limitados a nossas referências de tempo e espaço, encontramos explicações que pareçam mais plausiveis.

Sempre que ouço falar em UFOS penso na máquina do tempo.

Explico: Principalmente desde a teoria da relatividade de Eistein, muito se fala sobre a possibilidade de viajar pelo tempo. O próprio estudo da fisica quântica tem relativizado nossos conceitos fixos sobre o assunto

Apesar dessa viajem implicar em vários dilemas e estar longe da nossa tecnologia, teoricamente existem possibilidades que vão desde os buracos negros, até uma aplicação ingênua de relatividade geral para mecânica quântica, sugerida pelo físico Robert Foward.

Há alguns anos o renomado cientista inglês Stephen Hawking admitia que era possivel, mas achava que isso nunca aconteceria já que não vemos turistas do futuro por aqui.

E se forem os UFOS ?

Todas as descrições de vôo desses objetos se assemelham com a maneira que a aviação evolui.

O fato de serem vistos em eventos históricos e não se aproximarem só reforçam minha teoria, até porque um dos dilemas de uma possível máquina do tempo é : o que aconteceria se, ao voltassemos no tempo, interferissimos no futuro ?

Se fosse possível voltar no tempo, provavelmente escolheriamos eventos históricos.

Filmes como Efeito Borboleta tratam desse assunto.

Também me chama a atenção que, quando descrevem “ETS”, falam de seres sem pelo, evoluidos, formas diferentes. E se os fenômenos naturais da terra e a evolução natural nos fizerem assim daqui a milhares de anos ?

O fato de nunca terem encontrado vida em outros planetas contrastado com a quantidade de aparições de UFOs alimenta a teoria da existência de universos paralelos onde seria possivel viajar entre os mundos.

Quem garante que muito do que hoje consideramos “sobrenatural” não é uma manifestação física dessa possibilidade ?

O assunto renderia um livro , melhor parar por aqui.

De qualquer forma, especulação por especulação, prefiro pensar que, de repente, naquela nave brilhando no céu podem estar meus tataratataranetos.

Apesar de não descartar nenhuma outra explicação, divagação por divagação prefiro ficar com as minhas.

Anúncios

Oração de pai

Me mudei ( do hotel onde estava a finalmente o novo apartamento) no fim da semana passada. E você deve imaginar o que isso significa: caixas, bagunça e muita arrumação. Mexendo em uma das caixas encontrei várias fitas K7 de todos os tempos. Da minha infância as experiências em diversas rádios.

Aqui em Brasilia tenho como ouvir as antigas k7s e, melhor, arquivá-las em computador. Hoje, ouvindo sons da minha infância, um em especial me emocionou: Uma oração gravada por meu pai por volta de 1985.

Impressionante como o passado se esconde na gente e basta um sinal para que ele volte e nos remeta a tempos que nem lembravamos mais.

Hoje sou pai e é essa oração que quero fazer pelo meu filho.

Coloquei no meu podcast ( que faz tempo que não mexia !!) para ficar mais fácil de ouvir.

Se quiser, acesse:

http://events.flaviosiqueira.podomatic.com/entry/eg/2010-03-25T13_41_54-07_00

Pulsões e Fixações

Toda fixação revela uma pulsão interior.

 Logo, o ser moralista, dedo em riste, defendendo os “bons costumes” expõe que no íntimo é cheio de conflitos e contradições, fazendo com que acredite que a imagem para consumo compensa o que de fato é.

 Pior quando a fixação é institucionalizada e vira bandeira.

 Seja em religiosos que atacam, criticam e se colocam como “reserva moral”, ou, do outro lado, movimentos de minorias que minoritariamente se articulam raivosamente para, em nome do direito, impor através de leis o que só pode acontecer a partir da consciência.

 Sem consciência resta a aparêcia que, nesses casos, costuma ser a antítese superlativa do que sou.

 Discursos não aplacam pulsões, então sobra remar contrariamente sempre me auto afirmando a partir da minha fixação.

 Quem odeia esquece que geralmente o ódio nasce das paixões.

 Quem abomina deve se lembrar que sua abominação pode vir da admiração.

 Quem persegue ao outro talvez não saiba que pode estar perseguindo no outro o que identifica em si mesmo.

 Quem julga ao próximo antes de tudo está revelando o que tem no próprio coração.

 Portanto antes de atirar pedras e julgar ao próximo, olhe para dentro e veja quem é você.

 Nem que seja por auto preservação, é melhor ficar calado do que deixar tão claro a todos que possivelmente você é exatamente o contrário do que tenta aparentar.

O que houve na noite passada ?

O que houve na noite passada ?

Não. Se você sentiu calor,frio, teve sede, acordou de madrugada, levantou cedo demais, não é isso que quero saber.

Por exemplo, quando o relógio marcava 3:04AM, onde você estava ?

Talvez já estivesse deitado, provavelmente no quinto sono, mas  isso é o máximo que consegue me dizer ?

Se o dia tem vinte e quatro horas e em cada uma delas seu corpo preenche um espaço na existência, o que eu quero saber é: o que houve exatamente com você na última madrugada?

Quando vamos dormir saltamos no escuro. Se durante o dia você tenta manter as coisas sob controle, sabe que, ao deitar, não controlará mais nada.

Seus sinais diminuem, suas pálpebras pesam, pensamentos se confundem e o rico empresário, pobre porteiro, garçon, engenheiro, ator, costureira, médico, mendigo…todos se igualam.

Deitados na cama ou no chão nos despimos daqueles que tentamos convencer aos outros que somos.

Olhos fechados, corpo inerte, sem poses ou imagens a não ser aquelas que habitam no inconsciente.

Onde está o doutor ? Cade o famoso, abnegado, virtuoso fulano de tal ?

Nas ruas pouca gente. Quase não se ouve passos e a agitação das grandes cidades cede lugar a calmaria.

Centenas, milhares, milhões deixaram de interferir.

Durante algumas horas estarão vulneráveis. Enquanto o mundo continua girando e a existência em pleno curso, estarão entregues as divagações do inconsciente e ao repouso do corpo.

Serão assombrados, resgatarão fragmentos de pensamentos, terão insights, enquanto rostos, vozes, situações, lugares e tempos se misturam sem que você entenda o porque de tudo aquilo.

Não importa quem você pensa que é, ninguém resiste ao fechar dos olhos e ao desligamento da consciência.

Hora do inconsciente que insinua, aproxima, envolve, domina, guia e trás de volta sem que você saiba por onde esteve.

Na manhã seguinte tudo o que lembraremos é que: tive mais uma noite de sono.

O arrogante e o humilde, gênio ou débil, rico ou pobre, despertarão em seus corpos e, a luz do dia, representarão seus papeis sem lembrar que, daqui a pouco, seremos todos iguais.

O que houve na noite passada ?

Enquanto você não falava o mundo continuava a girar, sem seu trabalho, a lua cumpriu seu papel, em sua viagem ao inconsciente, tudo estava no seu devido lugar.

Onde estava mesmo minha importância ?

Somos todos iguais, feitos do mesmo material e todos os dias somos forçados a lembrar disso.

Na noite passada houve mais uma entrega ao desconhecido, silêncio e encontros com a profundidade dos pensamentos, viagens ao secreto… Na noite passada, você estava igualzinho aos que despreza.

Se o dia tem vinte e quatro horas, lembre-se : em boa parte delas nada nos diferencia  só para lembrar que não temos controle de nada a não ser a possibilidade de fechar os olhos, esquecer os pensamentos e simplesmente se entregar.

Quando aprendo a me entregar, deito e relaxo. Fecho os olhos em paz, sabendo que amanhã terei mais uma oportunidade no tempo da minha consciência, até a próxima noite.

Alegria na alegria

Uma das atitudes mais reveladoras do caráter, é a maneira como reagimos a alegria dos outros.

Ser solidário na tristeza é bom, mas não indica o que de fato existe no coração a medida em que a solidariedade pode incutir sentimento de superioridade.

É claro que nem sempre é assim, mas tem gente que ,adoecidamente ,enxerga o caído como uma oportunidade de mostrar o quão “benevolente” e “virtuoso” é, somente na expectativa se ser reconhecido.

Ao se alegrar com a alegria de um amigo, você não impressionará ninguém, mas revelará o que habita seu coração.

Lembro quando comecei no rádio.

Eu era adolescente sem nenhuma experiência e voluntário.

Estava lá para aprender e esperar por uma oportunidade.

Na mesma condição que eu, um outro rapaz que chegou um pouco antes, uns anos mais velho,  também de olho no dia em que poderia entrar no ar.

Conviviamos bem, até que tivemos nossa chance.

A medida em que eu me destacava, ele se tornava arredio.

Nunca brigamos, mas conviviamos sob tensão.

O tempo passou e as portas começaram a se abrir para mim.

Agora eu estava trabalhando na rádio mais ouvida de São Paulo e ele continuava na primeira rádio, sem muitas oportunidades.

Por acaso nos encontramos na Av Paulista pouco antes que meu programa começasse e ele pediu para conhecer a rádio.

Subimos até o estúdio e, enquanto conversámos,  me disse em tom de mágoa:

– Sorte você estar aqui né? Veja como são as coisas. Essa  vaga poderia ser perfeitamente minha. Foi questão de sorte. Você estava no lugar certo, na hora certa. Foi você, mas poderia ter sido eu que, modestamente, sou até melhor preparado.

Relevei o comentário e não polemizei.

Enquanto minha carreira sempre esteve em ascendente, ele nunca conseguiu ir muito longe.

Ao longo dos anos enfrentei muitas situações semelhantes e confesso que demorei muito para aprender que nem todos os que aparentam proximidade alimentam no íntimo boa sorte para os amigos.

Sinto isso porque sempre me decepcionava quando um desses amigos pisava na bola.

Há poucos anos abandonei algo em que acreditava justamente por me deparar com esse tipo de apequenamento.

O simples fato de crescer na minha condição era suficiente para alimentar egos recalcados e inseguranças disfarçadas.

A situação cresceu até se tornar absolutamente insustentável com direito a sabotagens e guerrinhas pessoais.

Aquilo me desgastou  mas também serviu para que eu aprendesse demais, sendo que a maior lição foi : agora só dispendo energia e empenho dedicação naquilo que , antes, me fizer crescer como gente.

Tem que valer a pena mesmo.

Mais do que nunca sei que  feliz é o que se alegra na alegria do outro e sabe compartilhar com ele os frutos da vitória.

Esse não se prende a sua pequenês e entende que na felicidade do outro tenho motivos para me alegrar.

Examine seu coração e veja até que ponto é assim.

Se alegre na alegria ! Isso faz uma enorme diferença.

Algema ou redenção ?

Se eu tocar no que para mim é sujo,  me sujarei.

Se entrar onde me assombro, de um jeito ou de outro verei fantasmas.

O que te parece intolerável pode ser aceitavel para mim, de modo que se não andarmos conforme nossa consciência, seremos guiados por ventos e assombrações.

Aqueles que precisam de leis se agarrarão a elas  sem saber que a lei existe como condutor- moldado ao tempo em que vivo- em direção a consciência.

É só isso.

Se eu construir meu caminho sob a ameaça dos fantasmas do meu inconsciente, acreditando que o objeto, o lugar ou ambiente tem poderes inerentes para o bem ou para o mal, serei escravo da lei que, através de ritos e fórmulas, promete me impermeabilizar contra minhas próprias assombrações.

Da simples proteção contra o mal olhado as complexas mudanças essenciais em busca do poder, seguimos conforme acreditamos em rota de fuga daquilo que, teoricamente, nos assombra.

Se o objeto maldito for só um objeto para você, não tenha medo de tocar, porque ele só será um objeto. Se você se impressiona com lugares sagrados e recorre a eles em busca da paz, saiba que o sagrado vive em você e lugares, são só lugares.

Para o bem ou para o mal, o que nos atormenta ou refrigera vive no coração.

Aquele que anda em consciência sabe que , não das montanhas, do céu ou do inferno, mas é dentro de nós que está a janela que , aberta, deixa a luz entrar ao passo que fechada mantém tudo na escuridão.

Não é fora, mas dentro de você que convive ao mesmo tempo sua algema e sua redenção.

Talvez seja hora de olhar para dentro , encarar seus monstros e se libertar de si mesmo.