Você é livre?

Hoje comento no Insight esse trecho do livro O ÉDEN: “Uma das maiores dificuldades dos seres humanos é aceitar a liberdade. Mitas vezes preferem criar muletas, apoios e não sentirem a vertigem de quem de repente se vê livre. Muitas vezes é mais fácil criar amarras para alimentar a sensação de que tem onde se apoiar. Para andar em liberdade há necessidade que comecem a caminhar sozinhos, sem se escorar nas paredes.”

Mestres, guias e leis… pra que? O ÉDEN

Seus medos não passam de assombrações. Se soubesse que na verdade as coisas são mais simples do que parecem e que toda mudança começa sempre de dentro para fora, não precisaria de palavras, teorias, mapas ou leis.
Viveria em um mundo onde os mestres seriam desnecessários e ninguém precisaria de um guia que ajudasse a trilhar os caminhos interiores. O caminho já existe e o senso de direção está demarcado na alma de cada ser humano desde sempre.
Esse é o irresistível apelo do amor para que sigam seus próprios caminhos em simplicidade, conscientes de que tudo que precisam já é, existe e está ao alcance da percepção de todo aquele que, com olhar simples, não tem medo de se enxergar e
de alguma maneira sabe que é no dia a dia, na caminhada, no dia chamado hoje que se escondem as maiores pérolas de sabedoria, os grandes segredos da vida – Livro O ÉDEN

eden capa

Impulsionadores de caminhada

Se pudéssemos enxergar nossas dinâmicas interiores em uma tela de computador, veríamos que tudo o que está na superfície – e naturalmente visível- nada mais é do que o resultado de combinações do que se esconde nas profundezas.

Basicamente, é a soma de nossos medos que produz grande parte de nossas motivações. Infelizmente.

O caminho entre esses dois pólos – medo e motivação- é pavimentado a partir do significado projetamos em cada coisa.

É você quem decide o quanto vale cada passo, recuo, baque, conquista, tragédia, traição, perda, decepção ou surpresa.

Cada um desses elementos estão presentes na vida de todos.

Muda a intensidade, variam os tons, mas ninguém vive até a maturidade sem experimentar cada uma dessas circunstâncias e, de alguma maneira, ver seu caminho influenciado por elas.

Basta um pouco de atenção para que você perceba que acontecimentos iguais, causam impactos completamente diferentes entre as pessoas.

Isso porque, quem dá significado é você.

Para extrairmos o real valor de cada coisa, é preciso que o percurso entre o medo e a motivação seja iluminado pela luz do auto conhecimento, pela luz do amor. Nesse ponto a caminhada se resignifica e, ao invés de fixar-se em um alvo distante, você passa a valorizar o caminho, o presente, o agora.

O amor e o medo são os dois principais impulsionadores de caminhada. Qual deles você escolhe?