Fique em paz

Se a semana terminou conturbada e nem tudo saiu como planejado, descanse. Nunca sabemos como as coisas terminarão .

Geralmente as melhores reviravoltas começam com um simples insight, um movimento interior, sutil, quase imperceptível, que pode gerar profundos e significativos saltos de percepção.

Sei que às vezes somos pegos de surpresa e acabamos tendo de enfrentar situações desagradáveis pra dizer o mínimo, a vida é cheia dessas coisas.

No entanto, independente de qualquer coisa, quero te lembrar que os ventos mudam sem aviso prévio, que as dores não precisam ser para o mal, que as experiências negativas ganham outras cores se nos aquietarmos diante delas.

Então ficará claro que não sabemos o que é “bem” e o que é “mal”, ainda que doa em alguns momentos, somos aprendizes. Há reviravoltas, há mudanças, há surpresas, há milagres. Estar em paz é milagre, o maior de todos.

Em todas as situações há bilhões de possibilidades de desdobramentos, de saídas, de soluções, mas você só enxerga uma ou duas, portanto, mantenha seu coração em silêncio.

Que o fim de semana traga descanso, o descanso, quietude, a quietude, clareza, a clareza, consciência, a consciência, paz, Fique em paz! Você não precisa de soluções mirabolantes. Fique em paz, e, acredite, tudo se encaixará. É assim que vai ser. É assim que é.

flavio siqueira

Qual a diferença entre um “bom divã de psicanalista” e um “encontro com a espiritualidade ?

A mente encontra respostas em um bom divã.

Mas somos mais do que a mente e as respostas mentais são insuficientes.

Posso interromper processos adoecidos, desfazer confusões e isso é ótimo, mas não é sobre isso que falo. Aquietar-se é mais do que um ritual mental.

É uma condição interior que está ligada ao jeito de olhar a vida como um todo. É como percebo Deus em mim, como vejo que sou parte do todo e que o todo faz parte de mim, que estamos vinculados e permito que essa percepção tangencie minha caminhada, molde meus valores e acalme minhas inquietudes.

É transcender a mente, sabendo que os processos de “iluminação” não são processos conscientes, mentais, intelectuais ou sistemáticos, mas acontecem em dimensões muitas vezes incognoscíveis.

É a percepção de que somos seres fragmentados que se relacionam com o absoluto e por isso mesmo permanecem abertos para enxerga-lo aonde ele se manifesta, aonde ele está, livre de apontamentos intelectuais/doutrinários.

É o encontro consigo mesmo e a constatação de suas limitações que lhe projeta para o além, para o que não cabe em nós, ainda que esteja em nós.

Enxergar-se faz parte do processo, compreender a mente é importante, mas não creio que seja caminho suficiente para uma vida espiritual.

O que eu tenho tentado fazer é simplesmente lembrar as pessoas que o caminho começa dentro, em como me enxergo e consequentemente enxergo o próximo.

Em como enxergo o próximo e consequentemente o mundo.

Em como enxergo o mundo e consequentemente a vida.

Em como enxergo a vida e consequentemente Deus.

No mais, faço de tudo para estimular uma busca individual, pessoal e consciente.