Qual a sua “missão” nesse mundo?

Ontem alguém me perguntou “como descobriu sua missão nesse mundo?”. Não sei se decepciono com a resposta, mas não acredito assim. O dia em que minha missão estiver completamente revelada é sinal de que foi totalmente cumprida, portanto essa não é uma preocupação.
Fora que, em minha opinião, esse tipo de definição tende a fixar as pessoas em uma única perspectiva diminuindo a liberdade de ser e deixar de ser, de fazer algo importante que amanhã pode não ser mais.
No meu caso, descubro minha missão para agora, em pequenas porções, todos os dias, porque ela se renova em cada escolha e se conecta ao próximo passo, a próxima “missão”, que nesse momento é escrever esse texto.
É na caminhada que o caminho se ilumina, portanto, relaxe quanto a isso. Sua “missão” se limita às escolhas do hoje e a somatória delas, entre pequenos e pequenos passos, movimentos que lhe apontam hoje o caminho a seguir, até que percorra o trajeto inteiro, até que entenda tudo, até que cumpra a missão.

Todos um

Agora, exatamente nesse instante, uma ave pousa sobre as pedras, para um tempo, um ou dois minutos no máximo, olha o mar revolto, o céu e voa.

Em algum canto do norte do México um Coiote observa uma presa com cuidado. Ele se movimenta lentamente para não espantá-la até que, de repente, avança.

Há um menino que desistiu do que estava fazendo para prestar atenção em um inseto que escala uma folha com certa dificuldade.
Ele está no jardim da casa do avô que entrou apressadamente para não sei o que. O menino sorri, o inseto se esforça, o menino estica o dedinho para ajudar, o bichinho se assusta e voa, o menino se assusta e corre. O avô também corre assustado.

Longe dali, sobre uma arvore de eucaliptos em algum lugar da Austrália um Coala prossegue no sono que durava horas. Um intenso sopro de vento agita as folhas, um raio anuncia o temporal, ele acorda, se mexe, se ajeita mas não sai do lugar. O vento continua, a chuva está mais perto, o Coala dormiu de novo.

Enquanto isso, olhos alheios as realidades que o cerca passeiam entre letras organizadas em um texto. Lê e ignora os processos de fora e os de dentro. O mundo dos entes, o mundo biológico que lhe habita, o universo de percepções que é.

Em algum canto do que chamamos de mundo há uma menina desiludida, um cara orgulhoso, uma senhora cansada, um adolescente entediado, um homem que não sabe, mas ainda hoje saberá, que a dor de cabeça dos últimos dias é mais do que uma dor de cabeça. Antes que o dia termine ele voltará para casa.

Nosso tempo no tempo, o espaço que ocupamos na relatividade não contempla o universo que nos vincula. Mal sabemos o que somos. Vivemos como se fossemos consciências solitárias, desconectados, dependentes da boa sorte ou do bom comportamento, de premiações, gratificações meritórias, golpes de sorte que abrem caminho para este ou aquele.

Desconsideramos que agora, nesse fragmento de tempo, exatamente nesse instante, estamos vinculados a tudo o que respira, a tudo o que existe, a tudo o que é. A realidade das aves, dos coiotes, dos meninos, dos avôs, dos insetos, da vida que acontece o tempo todo, sem que eu veja, sem que eu saiba, sem que eu sinta.

Vivemos sem noção de que o universo nos habita. O mar que bate nas pedras ecoa em algum lugar dentro de mim, há coiotes caminhando em minha alma, choro de meninos, passos de avô, insetos que voam aqui dentro porque sei que de alguma maneira também estamos conectados, a menina desiludida, o cara orgulhoso, a senhora cansada, o adolescente entediado e o homem que voltará para casa.

Um dia todos voltaremos. Enquanto isso, vivamos como se todas as coisas existissem de alguma maneira em nós. Elas existem.Gratos por pisar em chão sagrado, compartilhando uns com os outros o privilégio de ser casa de Deus, vivos, vidas que se tocam mesmo quando não se conhecem, vinculados mesmo enquanto se sentem sós.

Há muitos mundos acontecendo nesse instante. Há muitas realidades, infinitas conexões que você não vê, não sabe, não sente, mas ainda assim lhe tocam, portanto, cale-se, aquiete-se, ouça, sinta com reverencia.

O avô que estava correndo chegou no menino assustado e o abraça. O inseto voou para longe e não viu que que tudo ficou bem. Foi o que pensou a esposa que vela o corpo do marido. Ele voltou para casa. O choro sempre passa, os sustos são apenas sustos, um dia todos seremos um.