Finalmente acordar

Não há dia que eu deixe de ser confrontado com minhas ambivalências, com as contradições presentes em minhas escolhas, quando sou quem acho que não seria, quando encontro descompassos entre o que estou sendo e o que penso ser, entre o agir e o querer, entre o mundo que cresce para o lado de dentro e o mundo que vivo no lado de fora. Não sei amar, mas tento praticá-lo.

Não sei perdoar, mas todos os dias tenho oportunidades de exerce-lo.

Não sei ser bom, e a vida me enche de chances para que eu seja.

Não sou humilde, mas seria tolo se não admitisse que a falta de humildade mata; por isso exercito, por isso caminho, por isso, quando me canso, sei que logo me renovo e então prossigo sabendo que, em cada dia, a chance de dar mais um passo, de experimentar um pouco mais, de perceber, de enxergar, de, finalmente, acordar

O que é a verdade?

Nós, seres humanos, somos estranhos.
Construímos nossas leis, sociedades, códigos, religiões, política, estabelecemos regras, tentamos nos adequar, nos respeitar enquanto nossos interesses se mantenham resguardados. Somos moralistas, legalistas, éticos, sim senhor, afinal, fazemos tudo certo, tudo de acordo com as regras, conforme manda o figurino e podemos comprovar com nosso número de CPF imaculado ou alguma certidão que testifique nossa idoneidade, o quanto somos de fato honestos e verdadeiros. Está tudo sob controle, tudo no seu devido lugar, portanto, por favor, não embaralhe as coisas. – pedimos quase amedrontados.

Pensar sobre a verdade pode ser perigoso. Se resolvermos ir além da superfície, se decidirmos mergulhar a cabeça e tentar enxergar só um pouco mais, perceberemos quão frágeis são nossos conceitos de verdade especialmente porque ninguém sabe de fato o que ela é. Dá medo relativizar absolutos e assumir que tudo o que temos é quase nada, e o que pensamos saber, muito pouco.

É quando nos flagramos com nossas caixinhas nas mãos, aquelas que antes acreditávamos serem suficientes para guardar o que não cabe, controlar o incontrolável, domesticar o essencialmente selvagem e tudo o que resta é assumir que minhas leis, minhas regras, minhas verdades são apenas periféricas, importante para que uma sociedade viva civilizadamente, mas nada além disso.

Se não controlo a verdade e tampouco posso explicá-la, resta apenas reconhece-la, identificando fragmentos de verdade até onde nunca imaginei. Quando me desapego do sentimento de posse, quando reconheço que quase não sei, me abro e começo a entender que verdade não se explica, não se encaixa, não cabe em palavras ou no vocabulário mais erudito. Verdade se experimenta, se vive, se aplica no olhar de quem não se atreve em julgar, não se apressa em condenar, não se coloca em nenhuma posição de juiz de ninguém, apenas porque reconheceu que, em se tratando da verdade, somos leigos, eternos aprendizes.