Vem aí a rádio Vagalume!

Na próxima quarta feira, dia 02/07 ÀS 07H00 da manhã estreia a rádio Vagalume ! Será uma rádio transmitida por internet, o que quer dizer que qualquer um, em qualquer lugar do planeta terá acesso.
A ideia é manter coerência com o trabalho que faço aqui no FB, nos vídeos, blog e livros, sendo mais um canal de comunicação e interatividade sem rótulos, sem esteriótipos, uma rádio humana, livre e agradável.
Estarei ao vivo de segunda à sexta entre 07h e 09h no programa “Mensagens que chegam pela manhã” comunicando bons conteúdos, tocando músicas e interagindo com o FB. Durante todo o dia músicas de qualidade, reflexões, provocações e tudo o que for possível para tornar seu dia mais consciente e agradável.
Será uma boa oportunidade para quem tem consultório, loja ou qualquer tipo de estabelecimento com som ambiente.
Além do computador, será possível ouvir a rádio pelo celular também. Por enquanto ainda não posso divulgar o endereço, mas pretendo fazê-lo até amanhã.
Estou muito feliz, acredito bastante nesse trabalho e tenho certeza que será uma grande oportunidade para que estejamos ainda mais próximos. Conto com sua audiência e divulgação ! Em breve mais novidades. Obrigado por tudo!

4

De repente tudo pode mudar

Me lembrei de como as coisas podem mudar de repente.

Foi em 2011. Eu vivia uma fase profissional difícil, um monte de coisas acontecendo, longe de casa, uma série de mal entendidos e nenhuma vontade de estar lá. Cheguei logo pela manhã, fiz o que eu tinha que fazer e desci para tomar café na lanchonete da rua.

Pensava em como me desvencilhar daquilo, em como ir embora, pensava, pensava, pensava muito enquanto uma TV ao lado reproduzia uma série de vídeo clipes. Não sei exatamente porque um deles me chamou atenção. Não falava nada em especial a não ser um título expressivo “Uncharted” (inexplorado) com imagens simples, criativas, cheias de gente com caras e atitudes de gente.

Por alguns minutos parei de pensar e fiquei prestando atenção enquanto uma tonelada de peso cedia espaço à esperança, uma inexplicável esperança de que tudo se encaixaria, que as coisas se encaminhariam se eu parasse de me angustiar, se eu simplesmente me aquietasse.

Não houve nada especial, ninguém me disse nada, foi só um momento, uma música que tocava na lanchonete, um inesperado despertar que fez completa diferença para que eu realmente mudasse minha atitude e, a partir daquele momento, iniciasse um tempo novo que me trouxe muitas coisas boas.

Agora estou aqui no finzinho da madrugada preparando a minha rádio que está para entrar no ar e, por “co-incidência” a tal musica está tocando. Impossível não lembrar daquela manhã tão sem nada para contar, sem nenhum grande acontecimento, sem uma linda história de superação, e, talvez por isso mesmo, suficiente para que na sutileza daquele momento me dissesse tantas coisas que eu precisava me lembrar. Só ouvi quando parei de pensar, pensar, pensar e me aquietei.

Meu texto de hoje é simples como aquela manhã de segunda feira. Simples como todos os dias devem ser.

Não quero alimentar nenhum tipo de pretensão filosófica, nem sustentar argumentos infalíveis, não é isso. Hoje, tudo o que eu quero é lembrar para mim e para você que, se não fosse nossa distração, perceberíamos mais.

Se não estivéssemos tão focados em nosso ego, tão preocupados com nossos desejos, tão fixados em ilusões, tão presos ao passado, ao futuro, tão distantes do presente, se simplesmente estivéssemos atentos ao universo, ao maravilhoso universo de vozes, movimentos, encaixes, sutilezas que nos apontam o caminho, estaríamos muito mais descansados e confiantes.

Andaríamos em paz independentemente dos cenários, certos de que o mundo de fora sempre responde ao mundo de dentro. Não é a angustia que produz paz, nem a inquietude geradora de descanso. É o contrário. É um coração em paz, uma mente tranquila, o caminhar consciente que aplaina o caminho e interfere no cenário turbulento. De dentro para fora, sempre.

Tenho aprendido com o tempo, com as experiências, com a persistência dos acontecimentos contraditórios tantas vezes, como esse momento contigo, como a chuvinha que cai agora no início da manhã, como o som da gaita que ouço aqui na rádio, como um sentimento de paz independente de tudo, como o privilégio de poder ser mensageiro da chuva, do vento, da música, das vozes incessantes e sutis que nos sussurram o tempo todo com eloquência, nos preenchendo de graça, de vida, de Deus, que nos habita. Acredite, tudo vai ficar bem. Já está. Bom dia pra você! Fique bem.