A senhora e a menina

Ela segurou o braço da avó carinhosamente e propôs que sentassem na mesa ao meu lado.
A intimidade entre as duas diminuía o contraste da idade, evidenciado no assunto da menina.
“…Então é isso vó, vou gravar o vídeo no fim de semana.”
A senhora fingiu naturalidade com esse assunto de “vídeo”, de tecnologia, mas confundiu-se quando passou o cartão na maquininha do caixa.
A menina – a avó chamou de Emília – aguardou enquanto consultava o cardápio. Quando retornou a senhora perguntou “Por que não escolheu antes? Eu faria seu pedido com o meu.”
Como era de esperar, Emília foi mais ágil que a avó ao fazer o pedido, pagou e retornou a mesa.
Sentaram-se frente a frente. A senhora mexia no café com leite usando uma pazinha de plástico.
“Por que você não vem me visitar? Pega o ônibus e vai lá…”
“Vou sim vó, na semana que vem.”
A avó deixou transparecer no sorriso enrugado um contentamento juvenil, olhou sobre os óculos como se precisasse dar enfase ao que diria. “Avisa antes para eu fazer uma comidinha gostosa para você.” Coisas de avó.
As duas conversam. A senhora ainda mexe com a pazinha no café com leite, deve estar muito quente, a menina brinca com o celular desligado em uma das mãos.
Na mesa ao lado me encanto com o mundo das duas. Elas não fazem ideia que é sobre encontros que escrevo em meu caderno, o delas e os nossos. Me repreendo pela invasão. Coisa feia, um cara da minha idade prestando atenção na conversa alheia. Divago…
Quantas distâncias constroem o amor entre avó e neta? Amor não é feito só de presenças, mas de distâncias também. As distâncias ajudam enxergar melhor.
Penso nas ausências que provavelmente experimentarão um dia. As faltas que no futuro valorizarão esse momento simples, avó e neta tomando café em um shopping no meio da tarde.
Quantos mundos entre os setenta e tantos anos de uma e os dezessete ou dezoito da outra?
Emília fala que está procurando trabalho. A avó conta que mesmo depois que se aposentou trabalhou por mais seis anos.
“Por que não faz um curso, vó?” – A neta morde um sanduíche e presta atenção na senhora que sorri.
“Estou velha para isso.”
“Velha nada! A senhora ainda é jovem!”
As duas se olham com sorrisos diferentes, sorriso cansado, sorriso de esperanças, depois ficam quietas por um tempo.
Emília mexe no celular que não está desligado como pensei, espia, tecla rapidamente.
A avó espera com paciência. Pessoas mais velhas sabem esperar. Pessoas jovens, cada vez menos.
A senhora olha distante, sem ver, pensa em alguma coisa.
Tomara que elas saibam se completar. Espero que de alguma maneira nunca se esqueçam da beleza desse encontro de afetos, de cuidados, de carinhos.
Conversam mais um pouco e depois se levantam. Somem entre os anônimos e prosseguem suas vidas, seus assuntos, seus planos de visita e “comidinha gostosa” até desaparecerem na multidão.
Termino o café e concluo meu texto pensando nos tantos mundos que se cruzam, na beleza dos encontros cotidianos que não percebemos, encontros cheios de significados.
Apesar das nossas teorias e complexidades basta um pouco de atenção para desconfiar que a vida nada mais é do que uma construção de simplicidades. Pequenas doações cotidianas de tempo, de presença, de conexões que se manifestam com tanta sutileza, como uma conversa entre avó e neta em uma mesa de café.
vo e neta foto 1
Anúncios

2 comentários em “A senhora e a menina

  1. Adoro seus textos e hj me atrevi a comentar.
    A distância, não esta exatamente nos km q um esta do outro e sim no q se leva dentro de cada um… E infelizmente, cada dia q passa estamos mais distantes das pessoas q.amamos justamente pela impaciência do jovem em não saber esperar.
    Obrigada por fazer parte do meu.dia a dia!

  2. Hoje me fez refletir muito , o quanto estou distante 2x da família que amo , aos 21 anos de idade sai de casa por brigas familiares e fui morara de favor , deixei minha mãe com saldades e com esperança de que todo ia dar certo , conheci uma pessoal na cidade que fui tentar a vida , de são Paulo pra minas gerais numa distancia de 17 horas . via a família de 2 em dois ou 3 anos . agora trabalho com venda de roupas e estou atualmente 1 mês fora de casa , e agora vejo o quanto a saldade é forte , e o quanto poderia ter ficado mais tempo com eles sem tecnologia , fico sempre em cima do murro . de um lado a saldades da mãe de outro a saldades da esposa e filha , quando venho pra são Paulo gosto apenas de ficar perto da mãe e esculta o dia dia dela . saldades 2x.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s