Como nascem os universos

Nossos vazios são espaços sagrados, se percebidos em paz tornam-se ingredientes de lindas composições.
Como acontece com o poeta, que do vazio, faz poesia, poesia com beleza, poesia com dor.
O artista, criador de mundos, paisagens que nascem do vazio, as sinfonias, fruto do silêncio de alma, o vazio habitado por sons conectados em uma epifania harmonica.
O cientista se cala, se cansa, esquece, esvazia-se e a ideia, como quem aguardava do lado de fora o fim da confusão, sussurra com inspiração.
Respeite seus vazios e não se inquiete com eles. Permita-se contemplá-los sem medo e veja o que acontece. É assim que nascem os universos.

20160423_182223

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s