Sua ajuda!

Compartilhe se puder! Sobre a ONG Vivacão, comentado hoje na rádio Inverso. O texto é do padre Rogério Cruzantonio: “URGENTISSÍMO
Para que todos saibam , este e´o nosso ACORDO JUDICIAL DO TERRENO DA ONG VIVACAÕ . processo numero 00068330-44.2011.8.26.0083 De 18 de maio de 2015
Parcelado em 32 vezes R$ 1000,00 reais mensais
Conseguimos pagar até o momento 18 PARCELAS
Estamos atrasados , ´´O QUE NÃO PODE OCORRER ´´
TRES PARCELAS ——–R$ 3000,00 MIL REAIS
PRECISAMOS LEVANTAR ESTE DINHEIRO PARA NÃO PERDERMOS O TERRENO
TEMOS 200 ANIMAIS EM NOSSA SEDE -ONG VIVACAÕ
ESTE DINHEIRO TEM DE SER LEVANTADO ATE QUINTA FEIRA , SENÃO PERDEMOS O TERRENO E ASSIM OS ANIMAIS SERÃO DESALOJADOS , OU SEJA , VÃO SER COLOCADOS NA RUA .
TODA AJUDA E´BEM VINDA BANCO DO BRASIL
AGENCIA 1704-3 C/C 3454-1
EM NOME DE ROGERIO A. B. CRUZ CPF 748352387-53
CONTATO FONE 35 999598241
35 37352355
FALAR COM O PADRE ROGERIO”

7-razoes-para-amar-um-vira-lata-5

O pássaro era a mensagem

Segunda de manhã, dirigindo na estrada entre Minas e SP, inquieto por querer mais céu e menos chão, cansado dos contrastes que a terra traz, parei o carro para tomar café. Na volta, antes de prosseguir viagem, resolvi caminhar um pouco no lugar e uma imagem me chamou atenção: Um pássaro descansando sobre um tronco de árvore. Ventava, as penas em movimento, equilibrava-se, o pássaro. Instintivamente tirei a foto abaixo. O pássaro sobre a árvore era uma mensagem. Na hora não vi nada além da beleza, mas depois ele me disse… Disse que a terra é importante também. Que o céu será uma fuga se não cultivarmos nosso chão. Aquele que voa, agora, sobre o tronco de árvore enraizado na terra, se aquieta. O pouso é necessário, o céu a liberdade. Nem só o céu, nem só a terra, somos pássaros que voam e buscam árvores para descansar. O pássaro sobre a árvore era uma mensagem.

bird

Sementes

viii-curso-de-capacitacao-de-analista-de-sementes-destaque

Tudo é semente, inclusive as experiências: Um pensamento, uma escolha, um sentimento, um objeto visto, uma pessoa que passa por nós e modifica alguma coisa. Tudo em constante processo, sempre.
Nada é estático. O tempo é condutor desses movimentos e o corpo, exposto ao tempo, encuba a serenidade que substituirá a avidez, a paz no lugar da pressa, a sabedoria no lugar da ignorância. Quando a maturidade vier, perceberemos quantas etapas foram ultrapassadas! Nada deixa de existir, apenas se modifica, apenas se expõe aos inexoráveis processos do tempo. Sementes.

O que buscamos…

Por mais que tenhamos o universo dentro de nós, tudo o que buscamos é o aconchego de um abraço, a acolhida de um amor sincero. Podemos até nos esquecer, afinal, quantas vezes a caminhada se torna ingrime, mas o fato é que nossos desejos complexos, nossas buscas profundas, nossas insistentes utopias, ainda que deem voltas e voltas, como uma bússola que aponta o norte magnético da terra, apontam para a necessidade humana mais simples, mais ingênua, presente em cada coração que busca o outro e, nele, se enxerga.

O ideal e o real

O ideal é um horizonte. Enquanto caminho em direção a ele encontro a realidade. A realidade é o ponto onde estou, mas, como eu, ela está em movimento. Amanhã será outra, e sempre outra, e uma outra, até, quem sabe, eu me aproxime do horizonte e, nele, encontre o ideal. Até que seja assim, caminhemos.

Anseios da alma

A alma quer liberdade. Se projeta na casa grande, no espaço amplo, na vista para o mar. Procura o abraço prolongado, as bocas, os beijos, o ar. Estica-se como pode, tenta romper o que prende e ser. A liberdade é uma conquista diária, um caminho para quem precisa de espaço, sente falta de ar, de céu, de gente, de vida, mas espaços não são lugares, são dimensões interiores.

jump-parachute-skydiving-flight-plane-sky-cry

O som do silêncio…

Naquele tempo, os barulhos de dentro dissolviam-se na interação com a natureza que compunha quase todos os cenários. Eram homens e mulheres como nós, apenas menos expostos às luzinhas, aos estímulos incessantes. Fico pensando em quando Schubert compôs essa maravilha. Como estava o céu? A temperatura? Que sons vinham do lado de fora? O que as pessoas na redondeza faziam? Como passou aquela noite? Independente de qualquer coisa, nele havia silêncio, e o silêncio casou-se com a música,e a música promove quietude. Quietude nessa era de tantos ruídos…