O lugar onde moramos

Não se importe com o que pensa pensar. Importam as entrelinhas, o que não capta conscientemente e é selvagem demais para caber em vocabulário. É no estado bruto, sem disfarces, o lugar onde realmente moramos. Tentamos a proteção da linguagem, mas, talvez, a linguagem seja apenas um recurso do nosso pudor, um disfarce para nossa nudez.