Obrigado por voar comigo

Agora há pouco lembrei de um pensamento frequente quando comecei esse meu trabalho. “Não tenho nenhuma ideia de onde isso vai, mas sinto que preciso ir.” Hoje, anos depois, pensando do mesmo jeito, simplesmente vou: Caminhar é o sentido.
Já tive alguns planos, já imaginei que disso eu poderia fazer aquilo, que deveria crescer, falar com mais gente, dar um passo pensando em outro.
Felizmente a pouca ambição foi substituída pela liberdade.
Quando estou preso nas “metas” tudo o que faço é para
que se realizem.
Quando me desprendo, simplesmente caminho e então coisas
lindas e inesperadas acontecem.
Pensei nisso por conta do programa da rádio hoje, que não coube nas tradicionais duas horas e avançou com tranquilidade.
Tem sido especial esse contato, as exposições, as contradições, o carinho de tanta gente querida que se manifesta pelos
diversos canais.
Essa troca tem me melhorado na medida em que reforça a ideia de que, se amanhã tudo acabar, e dai? Podemos não ir à lugar nenhum, mas isso não importa diante do que temos hoje: os
movimentos, as perspectivas de ver, a percepção de que consciência é um movimento coletivo e se aprofunda enquanto caminhamos.
Quero continuar caminhando, quero continuar pequeno, livre, em alegria, em movimento; selvagem que não cabe em jaulas mas que precisa das asas e do céu para voar.
Obrigado por voar comigo.

flavio radio

 

Me diga o que fazer!

Uma papo de agora nos comentários do youtube:

“Flavio para mim é um homem sábio e cheio de virtudes. Mas vejo em suas mensagens algo meio vago e contraditório. Me desculpe a expressão aqui, mas ele é como uma galinha que faz toda menção de botar um ovo, mas não bota. Como Caetano que desenvolve toda uma linha de raciocino e no final termina com um “OU NÃO”. Não que eu esteja criticando ele, mas eu espero mais dele pelo grau de intelectualidade que ele possui. Já tentei desenvolver este assunto com ele, mas parece que ele dá a mínima para estes tipos de comentários, parece que ele se sente satisfeito… “

Amigo, há muitos, há inúmeros por ai fazendo exatamente como sugere. Não me coloco nessa posição do “faça assim ou assado”. Não sou mestre, nem crio fórmulas, nem me proponho ir além do limite que acredito ser o ideal: te ajudar a chegar às suas conclusões e fazer as próprias escolhas. Como eu disse, aqui na internet está cheio de “mestres” compartilhando a “verdade”. Não creio nisso. Quero que meus vídeos sejam espelhos e, nos espelhos, não é quem os constroem que aparece, mas quem para diante deles. Não queira me ver, mas veja a si mesmo, como por exemplo, na confissão que faz enquanto se expõe. Abraços, amigos, fiquem bem. Obrigado!

Controle

Não tenho controle sobre todos os acontecimentos, mas o que fazer com eles é unica e exclusivamente escolha minha.
Não posso evitar todas as tragédias, mas posso escolher entre revivê-las sucessivamente todos os dias ou ultrapassá-las e sair mais experiente do outro lado.
Não gosto de tudo o que vejo e, se pudesse, pularia uma série de etapas, mas são elas que me tiram da zona de conforto e me dão chances para enxergar o que existia em mim, mas estava escondido.